Pesquisar

Entrar

Jooble

Emprego em Portugal
YouCMSAndBlog Module Generator Wizard Plugin
YouCMSAndBlog Module Generator Wizard Plugin
YouCMSAndBlog Module Generator Wizard Plugin

Anuncios


Designed by:
SiteGround web hosting Joomla Templates
Licenciados no desemprego voltam à escola para aprender programação PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Publico - Clara Viana   
Segunda, 17 Agosto 2015 06:54

Em mais um esforço para diminuir as estatísticas do desemprego em Portugal, o governo lança mais um programa de formação, desta vez visando os licenciados: "IEFP vai financiar acções de formação na área das Tecnologias de Informação e Comunicação para 1400 licenciados no desemprego. Participam 26 instituições do ensino superior."

A partir do final de Setembro, cerca de 1400 licenciados no desemprego vão voltar à faculdade para adquirirem competências na área das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) e aumentarem assim as probabilidades de voltarem ao mercado de trabalho.

É esta, pelo menos, a expectativa do Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP) que, em Julho, assinou acordos de cooperação com 26 universidades e institutos politécnicos “com vista à realização de 55 acções de formação” para licenciados no desemprego, indicou ao PÚBLICO o director de comunicação daquele organismo, Pedro Guilherme.

“Considerando o actual défice de profissionais em TIC, esta oferta de formação visa concretamente a aquisição de competências que potenciem as condições de empregabilidade destes desempregados e facilitem o seu (re)ingresso qualificado no mercado de trabalho”, especificou. As acções nas instituições do ensino superior serão financiadas pelo IEFP.

Em Junho, último mês para o qual há dados, das 536.656 pessoas inscritas como desempregadas nos centros de empregos, 70.220 (13,1%) tinham concluído o ensino superior. Ao contrário do que ainda acontece com a maioria da população activa portuguesa, uma das dificuldades que se coloca a muitos destes desempregados não é a da falta de qualificações, mas sim o facto de não deterem as que são “requeridas pelo mercado de trabalho”, aponta Pedro Guilherme.

Esse é também um dos aspectos destacados por Pedro Sebastião, professor do ISCTE- Instituto Universitário de Lisboa, que irá acolher 100 licenciados no desemprego da área de Lisboa e Vale do Tejo. “Temos de fazer alguma coisa para tirar estas pessoas dos centros de emprego e o ISCTE tem também esta missão”, comentou, lembrando que a instituição tem um historial “de proximidade ao mundo do trabalho e das empresas”, que poderá facilitar este objectivo.

A acção de formação em TIC no ISCTE terá uma duração de 300 horas, equivalente a um semestre universitário, e estará ao “nível de uma pós-graduação”. Quanto à lógica de formação assentará, refere Pedro Sebastião, na componente “saber fazer”: cada aluno terá sempre um computador à sua frente para testar na hora os ensinamentos que forem sendo transmitidos, com destaque para a programação. “Não vão só utilizar pacotes de software, o nosso objectivo é que saiam desta acção a saber programar, a desenvolver sites e aplicações para que sejam vistos como uma mais-valia pelas instituições que os acolherem”, refere.

Pedro Sebastião espera que tal aconteça logo nos estágios de três meses que se seguirão à acção de formação no ISCTE e para os quais contarão com a colaboração das empresas que integram a Associação Portuguesa para o Desenvolvimento das Comunicações (APDC). “Vamos incentivar que durante o estágio desenvolvam projectos que considerem que sejam do interesse da empresa e que possam levar à criação de um posto de trabalho com vista ao seu acompanhamento”, indica o professor do ISCTE, que espera ainda que vários venham a conseguir criar as suas próprias empresas. “Podem contar com o nosso apoio, também nesta etapa”, garante.

A realização de estágios profissionais, com uma duração de três a seis meses, é uma componente comum a todos os acordos assinados entre o IEFP e as instituições do ensino superior para a formação na área das TIC. Os estágios serão realizados no final das acções de formação nas faculdades e politécnicos, que terão uma duração entre 200 a 300 horas.

Pedro Guilherme refere que esta experiência se insere na chamada Estratégia e Plano de Acção para a Empregabilidade Digital 2015-2020, que o IEFP tem vindo a desenvolver em conjunto “com empresas na área das novas tecnologias” com o objectivo de responder às necessidades de um “sector que está em óbvio crescimento e dispõe de um enorme potencial na criação de postos de trabalho”.